ODOR DI FEMINA

9 fotografias papel fotográfico 30 x 20 cm
Lisboa 2013

O simulacro nunca é o que oculta a verdade
- é a verdade que oculta que não existe.
O simulacro é verdadeiro.
O Eclesiastes

Folha de Sala da Exposição



O título Odor di femina foi retirado de um texto sobre arte feminina de Barbey d’Aurevilly (1878): ‘estudem as obras delas, abram por acaso! Na décima linha, sem saber de que se trata, vocês já estarão advertidos, vocês sentirão o odor feminino’.
 
Instalação composta por nove fotografias encontradas em arquivo, classificadas com o título ‘estudos de preparação para a obra Santo António de Aurélia de Sousa, fotografadas em atelier com modelo.’
 
Quando se entra na casa-museu Marta Ortigão Sampaio, logo na primeira grande sala, encontramos um auto-retrato de Aurélia de Sousa de corpo inteiro e com dimensão próxima à real, vestida com um traje de monge franciscano. Aurélia de Sousa simula-se de Santo António. Uma provocação de género? Uma atitude iconoclasta? Ou iconólatra?
 
‘Simular é fingir ter o que não se tem’ afirma Jean Baudrillard.
 
‘Toda a fé e boa fé ocidental se empenharam nesta aposta da representação: que um signo possa remeter para a profundidade do sentido, que um signo possa trocar-se por sentido e que alguma coisa sirva de caução a esta troca-Deus certamente. Mas e se o próprio Deus pode ser simulado? Ele próprio nunca mais passível de ser trocado por real, mas trocando-se em si mesmo, num circuito ininterrupto cujas referência e circunferência se encontram em lado nenhum’.  1
 
E que simula Aurélia de Sousa ter?
 
Foi este jogo de simulacros que desenvolvi. Recorrendo a um arquivo imaginário da casa-museu escolhi um conjunto de fotografias, classificado sob o título ‘estudos de preparação para a obra Santo António, fotografados em atelier com modelo’. Desconheço se as fotografias foram reimpressas ou se são fotografias originais.
 
‘Mesmo sabendo que é perigoso desmascarar as imagens, já que elas dissimulam que não há nada por detrás delas’.  1
 
 1  Jean Baudrillard, Simulacros e Simulação (relógio d’água)

 
Agradecimentos : Eduardo Peterson e José Nascimento

Casa-Museu Marta Ortigão Sampaio

Exibition :

ESTRATÉGIAS PARA DE[MU]RAR O TEMPO

Curadoria de Fátima Lambert